BACK TO WHERE IT ALL STARTED

TRANSIÇÃO ALEATÓRIA 18-07-2010

Grab a re-run all week long right here

This weeks set was my pilot programa for Radio zero. It was the first mix I have done for them with this idea in mind. All the others that come after them, from april to now was actually based on the idea of this mix.

I wanted to share that set to you because I believe I am going through a very important fase in my my life where I must, once and for all, let go in order to move on with what there’s left of my stupid little existence. So today it’s probably a “ground zero” for my show and also this week has been like a very weird one. First I had a bad computer crash where I lost some important information, most of email contacts, files, old music production, and for some reason, today’s set for radio zer. So

So the idea of “a new beggining” came from desperation really, becasue I am kinda desperate. But any who………….

I hope you people listening to my work could enjoy and actually realise the evolution my sets are having. It’s mutation. Nothing better than crown this moment with one of the most interesting things that has happen to me this year. My first “transição aleatória”.

J


DIGRESSIVE THOUGHTS

TRANSIÇÃO ALEATÓRIA 04-07-2010 (by J)

re-run all week long HERE

Playing with crocodiles, disguised as furry, cudly bunnies, stepping over gigantics rats, I see floating souls wondering about the limbo of the human conciuosness, traped in their own imagination, or what is left of it. Eyes look at me with no expression, shook up by ilusion, burried by their loniness.

I strugle to understand what the mind can not conceive. Cold words coming out from wobbling lips, endeless distorted sound waves, combining letters and creating frases with no context whatsoever that will soon be forgotten by the feeble mind, listening to the silence, alone in the dark of their soul.

shreded pieces of paper flooding the dirty floor by the hand striving to come out of its physical deprivation, unlimited loliness, endless suffering. Bare feet walking aroung wearing white clean coats, minds that reproduce what they see, uncapable to create or feel anything, illegal copies of what once was an individual, someone. Corpses piled up together into a place where you must be the same, you must not think but be led by other’s distorted thoughts. Mouths fed with organic material coming from the intelectual abyss, brought by people banned from the  paradise, the forgotten ones.

Brincando com crocodilos vestidos de coelhinhos passando por cima de ratos gigantes vejo almas vagando pelo infinito presas em sua própria imaginação.

Faces sem expressão me olham com emoção deturpadas pela ilusão soterradas pela solidão O tempo vaga pela imensidão de um grão de areia viajando a esmo no olho do furacão ofuscando a visão da criança no balanço servindo de alimento para a sanguessuga faminta por seu sangue.

Tentando entender aquilo que a mente não pode conceber ouvindo o ar saindo de lábios frios, vazios pernas se movendo num vacuo poluído por palavras completamente sem sentido combinando letras que não vão ser entendidas sutilmente organizadas de forma desconexa conteúdo nulo sendo jogado a esmo esquecido no próximo segundo. infinito removendo as unhas sujas de meus dedos contorcidos pelas cordas do violão empenado papéias rasgados no chão sujo pela mão em vão que tentam sair da solidão pés descalço e sujos vestindo jalécos brancos poluem um ar já fétido, necrosado pelos lábios se movendo no vazio tentando ser alguém, mas sem ver a si mesmo fracas personalidades distraidas mentes que não pensam mas reproduzem uma cópia barata, pirata, escassa de algo escrito por pessoas inexistentes provenientes de um lugar falido esquecido apodrecido corroido pelo material organico jogado no abismo trazidos pelos vermes banidos do paraiso.

NEEDED SILENCE

Transição Aleatória 27-06-2010

Re-run, all week long HERE

Silence needs contemplation. The inteligent siloence asks for pacience, perception and it should be seen as a form of art, a form of maturity. To talk or to listen? These are both caracteristcs that should complement each other in order to balance out a discussion. I believe words have a magical power. We are the only living creatures in this bitter earth that actually can formulate frases using words from a vocabulary. We can communicate using a complex system that combine letters and concepts and meaning that differs us from the other animals. But I believe we are taking for granted this ability to comunicate meaningfully. Comunication asks for a context, as well as a receptor and a sender. If there’s any kind of problem with one of these elements, the comunication process just doesn’t happen.

People have been taking for granted the meaning of the words they are saying, their context. It’s like, say what you want and whatever. The comunication nowdays has become an one way road where meaningless words float around the air without being understood. People are wasting a value oportunity to take speech seriouslly, to say something meaningfull and the worst part is that the brain is recording all that futile behaviour. If you lie and your brain likes it, it will continue to lie, for ever and ever. To turn this concept around will take a lot of hard effort, like giving up a bad habit. This message is a plea to those people who think that what they are saying is being unoticed. Be very carefull about what you say, because it’s better to say nothing than to say bullocks. The magic of the words, the hidden power of what you say can turn against you, if you have a bad intention. And it will happen, sooner than later.


O silêncio é, em muitas ocasiões, recompensador. Se abster de palavras, tanto proferidas por línguas fétidas envenenadas pelas impurezas sociais da indústria cultural falida, pela futilidade contemporânea, como pensadas por mentes impuras e ocas, pode ser um sinal de maturidade e percepção profunda.

O silêncio muitas vezes requer contemplação, inteligência, percepção da situação e se aplicado de forma coerente é um sinal positivo. Mas há também outras situações onde o silêncio é inimigo do relacionamento interpessoal.

Se calar ou falar? Estas duas características são complementares e devem ser usadas de forma balanceada para não criar aquele silêncio desconfortante onde ambos não sabem exatamente o que está acontecendo e por isso as palavras não são proferidas, assim a relação sadia entre silêncio e fala deve ser sempre bem
percebida.

Eu acredito que palavras tem um poder mágico e tenho percebido que grande parte das pessoas negligenciam este conceito, talvez por não acreditarem neste pensamento. Palavras, línguas, coordenação de pensamentos e discurso nos diferem dos animais irracionais, mas estes não tem a habilidade de mentir. Não consigo conceber um cachorro mentindo para outro atravez de seu instinto. Mas o homem aprendeu a mentir para poder fazer parte, ser incluso socialmente, como se a mentira fosse a nova ordem, a nova verdade. Nosso caráter é aquilo que fazemos quando ninguém está olhando.

Diálogos vagos onde pessoas falam mas não percebem o que estão falando e acreditam que suas palavras vão simplesmente serem esquecidas ou as vezes eles não tem noção do que estão falando pois acreditam que depois tudo ficará bem, seja lá o que estiverem dizendo. Comunicação necessita de um emissor, um receptor assim com uma mensagem e esta está sendo corrompida na grande maioria das vezes, pelo medo da verdade, pelo medo de encarar a própria realidade, assim a comunicação não existe.

Muitas vezes em um diálogo, duas pessoas estão falando sozinhas, uma fala e a outra também fala, nenhuma escuta. Contexto e conteúdo são essenciais para a construção do diálogo sadio, assim como para a obra de arte relevante que tem a intenção de levantar questões. O mundo é feito de perguntas e não de respostas. Perguntas são muito mais explosivas e influenciam muito mais as pessoas do que as respostas.

Mas o gosto pelo superficial hoje em dia faz com que este conteúdo útil e vital para a evolução do pensamento, do intelecto se dissipe, como casas de madeira no meuio de um furacão. Palavras além de serem proferidas deviam ser vividas pois não existe pensamanto sem ação, não existe ação sem reação. Falar bem, com boa dicção não significa comunicar.

Esta mensagem fica para aqueles que se iimportam com algo útil, que querem melhorar, para os outros fica só o limbo intelectual e a regressão mental. Na verdade a vida é feita de escolhas e cada um tem o livre arbitrio para escolher a direita ou a esquerda